Visite nosso blog "gourmet": http://jwalkersgourmet.blogspot.com/

Hodômetro - quilometragem dos participantes

Participante
Distância percorrida
Alberto
639,4 km
Daniela
810,0 km
Jorge
784,4 km
Marcelo
858,2 km
Paulo
211,2 km
Yumi
145,6 km
(considerando somente os eventos listados neste blog)

domingo, 31 de agosto de 2014

Northbrasil 2014 - Represa Nazaré Paulista

Pela primeira vez, a Northbrasil realizou uma etapa em Nazaré Paulista e pela primeira vez nossa equipe participou de uma etapa nessa cidade. Por isso, resolvemos buscar hospedagem por lá e ver o que o local tinha a oferecer.

Entretanto, a dura realidade mostrou que lá tem dois tipos de hospedagem: as muito caras, com tudo incluído (alguns lugares se auto-proclamam resorts) e as muito simples, algumas até mesmo sem café da manhã. Incluída na segunda categoria, está a Colônia de Férias do Sintaema, onde decidimos ficar, por ser o local da prova.

Jorge não pôde ir no sábado e preferiu ir no domingo. Saímos de SP com o porta-malas cheio até o teto lá pelas 17h e chegamos ao Sintaema em torno das 18h45, para uma grata surpresa: o chalé (eles chamam de casa) 26 era bem limpo e espaçoso!

Descarregamos o carro e fomos para a cidade procurar alguma coisa para comer. Encontramos uma pizzaria chamada Sinhá Gourmet, bem aceitável. Ainda de brinde arrematamos uma garrafa de Green Label perdida por lá por duzentinhos...


A garrafa de saquê foi o tema da reunião estratégica. O Green foi só para fechar a conclusão!

Dia seguinte, levantamos às 8h para preparar o café (sem moleza, dessa vez) e arrumar as coisas para nossa largada.



Largamos às 10h38 e até o final do trecho 05 ficamos andando entre os chalés e gente preparando o churrasco.


Único detalhe foi o PC 11, que não quis bipar. Marcamos o picote para ver o que poderia ser feito no final da prova.



No trecho 07, descemos no sentido da represa, subimos de novo até a sede do Sintaema, descemos outra vez e ficamos nesse vai-e-vem cansativo até o final do trecho 10, com diversas equipes se amontoando numas trilhas apertadas e sem graça. Por fim, saímos de novo na represa e seguimos pela margem até a árvore caída, onde entramos novamente pelas trilhas.


Nesse ponto, 4 ou 5 equipes pararam esperando que alguém tomasse a dianteira e mostrasse o caminho. Paramos um pouco para retomar o fôlego (aquelas subidas iniciais foram puxadas... mal sabíamos nós o que estava por vir) e seguimos pelo trecho 11, com 3 equipes na nossa bota.

O final do trecho 12 nos levou à parte de trás do campo de futebol e em seguida de volta à represa, com um belo visual.


Mas quando chegamos na represa, surpresa. O PC 09 estava literalmente dentro da represa. Para ajudar, Marcelo quase atolou para registrar o tal PC. 


Seguimos na beira da represa por mais uns 500 m até o trecho 14, onde iniciamos a subida quase até a estrada, não antes de fazer um laço na beira da represa. O caminho da represa até a estrada de cascalho que leva à entrada da colônia dava mais de 1200 m, quase todo em subida, em velocidades que variavam de 53 a 74 (!!!) m/min.


A subida do trecho 20 foi a pá de cal, a 64 m/min ninguém conseguiu subir. Para melhorar, o próximo trecho era em virtual. Por sorte era meio descida, mas fizemos em modo zumbi. No final desse trecho, o atraso era de mais de 7 minutos.

Quando chegamos na portaria da colônia, estávamos propensos a desistir da prova. Mas com a proximidade do neutro, resolvemos descer e tomar um Gatorade.


Daniela e Yumi resolveram voltar para a colônia e os demais resolveram ao menos tentar terminar a prova.

Descemos para um braço da represa, por onde seguimos por um bom trecho, até encontrar uma "árvore seca caída".


Entramos por uma trilha sossegada, sem nenhuma equipe por perto (a segunda parte da prova foi toda assim), mas por apenas 94 m, e voltamos para a beira da represa.

Mais adiante, já no trecho 30, veio uma "subidinha" de 320 m a 53 m/min, para ajudar com as cãibras... Essa subida nos levou ao "mata-burro" e ao "carro queimado".

(Mércia feelings)

Depois de um neutro reclamando para o staff da North sobre as velocidades da primeira parte da prova, já largamos para o virtual com 30 s de atraso... O virtual tinha aquelas pegadinhas de fazer neutro de 30 s antes ou depois do PC, mas como estávamos atrasados, nem fez diferença!

Nesse ponto da prova, fomos ler a planilha (de vez em quando é bom, né?): 

"CURIOSIDADE - Seguindo em frente, veja do seu lado direito (nas margens da represa), estrutura para bombeamento da água que fica abaixo do nível de captação das comportas (volume morto). A prova de hoje está acontecendo às margens da Represa Atibainha, uma das 6 represas do Sistema Cantareira."

Assustador. Em breve, além do volume, nós também estaremos mortos...


Ainda em virtual, seguimos novamente até a beira da represa.


Quando saímos da beirada da represa, pela trilha, o texto da planilha não era animador: outra subida, e das longas. Pelo menos tinham 2 neutros durante a subida e Red Bull (inclusive sugar free - êêêêê! \o/) lá no alto.



Providencial, porque a pior subida ainda estava por vir.

Seguimos pela estrada até a estrada de terra para o Sintaema e começamos a subida do morro ao lado (quando paramos no neutro do trecho 21, ainda na primeira metade da prova, e vimos o povo subindo esse morro, deu vontade de desistir da prova - oh, arrependimento!).

(sim, aquilo lá embaixo é o neutro de Red Bull. Olha o tamanho do enrosco)

Alberto quase travou na subida, só não travou porque viu que Marcelo havia conseguido chegar ao topo e que não faltava muito para terminar. Ao seguir para o coqueiro depois de medir os 85°, a vista era de tirar o fôlego (se bem que a gente já não tinha mais nenhum):


A descida foi atropelada, não pelo atraso, mas pela vontade de chegar. E o último trecho ainda era a 111 m/min, para arrematar a parada...


O mais incrível é que conseguimos terminar. Vivos!


Lugar novo, prova difícil, não em termos de navegação mas fisicamente. É claro que para explorar as belezas do local (e outros locais não tão belos assim...) é necessário vencer a topologia irregular, mas parece que houve um pouco de exagero nas velocidades das subidas da primeira parte da prova e na distância total da prova.


Distância: 9440 m
Tempo total: 2h 55min

Participantes: Alberto, Daniela, Jorge, Marcelo e Yumi.

Resultado:
1 - Tava Atoa (487 pontos)
2 - João Andante (636 pontos)
3 - Tripolares (662 pontos)
...
24 - Johnnie's Walkers (4314 pontos - 110,6 pontos por PC)
...

Prato do dia: Bacalhau do Oh Pá, em Atibaia. Bacalhau com Natas... hmmmm!



Menção honrosa à interpolação realizada na atribuição da pontuação do PC 11, que não bipou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário