Visite nosso blog "gourmet": http://jwalkersgourmet.blogspot.com/

Hodômetro - quilometragem dos participantes

Participante
Distância percorrida
Alberto
639,4 km
Daniela
810,0 km
Jorge
784,4 km
Marcelo
858,2 km
Paulo
211,2 km
Yumi
145,6 km
(considerando somente os eventos listados neste blog)

sábado, 25 de agosto de 2012

Fun Trekking 2012 - Camping Casarão (noturna)

Depois de algum tempo praticando o esporte, as novidades costumam ficar cada vez mais raras e as provas vão ficando meio monótonas. Essa etapa do Fun Trekking noturno foi realmente uma boa ideia.

Como seria cansativo voltar para SP depois da prova, decidimos ficar no Camping Casarão. O café da manhã de lá é muito bom, apesar dos chalés necessitarem de alguns cuidados. Dessa vez, escolhemos o chalé 56, verdinho, triangular. Ficamos nesse mesmo chalé na etapa do Fun Trekking em 2010.


O pessoal atencioso do camping liberou nosso check-in a partir das 16h, já que largaríamos às 19h09. Ainda no sábado pela manhã fechamos uma estratégia um pouco fora de nossa característica, meio suicida, e com uns pontos bem críticos, como passagem em portais a 2 minutos do fechamento e PCs que sabíamos que estavam em lugares difíceis... Mas ficamos empolgados com a estratégia, porque passaríamos em todos os obrigatórios e em todos os ocultos, e usava o relevo a nosso favor.

Daniela, Jorge e Marcelo saíram de SP em torno das 14h30 e encontraram Alberto e Yumi no Frango Assado da Rod. dos Bandeirantes. Chegamos no Camping Casarão lá pelas 16h30.

Antes da largada, Alberto deu-nos um susto: havia recebido diagnóstico de hérnia na coluna e desfalcaria a equipe. Conversamos bastante e combinamos que ele iniciaria a prova, mas que a abandonaria caso não fosse possível suportar a dor ou percebesse que o esforço iria agravar ainda mais o problema. Alberto foi para o sacrifício!

Com tudo preparado para a prova, fizemos check-in e encontramos Esdras Martins, organizador do Enduro a Pé, que participou da etapa com seu filho, Felipe (na hora, achamos que eles iriam só fazer número, porque seria a primeira participação deles no Fun Trekking, logo numa prova noturna - se bem que o conhecimento que eles possuem do local é notório. O quarto lugar deles nessa etapa foi excelente!). Aí, foi só esperar a largada.



Largamos às 19h09, direto para um posto crítico na nossa estratégia, o 21.


Esse posto era estratégico porque o tempo da rota era curto e nesse posto estava a dica para encontrar o posto oculto 19.


Depois, pegamos o 32, na segunda ponte da trilha (teve congestionamento de equipes nesse posto)... Seguimos a trilha pela mata até o PC 29, aproveitando para encontrar o 31 que estava na nossa estratégia.

Do 29, descemos a escada pela trilha (essa escada é bastante traiçoeira, ainda mais à noite) até o 27, que era obrigatório. Esse PC estava fora da trilha principal, e o encontramos mais facilmente graças às lanternas da equipe que nos precedia.


No caminho para o PC 24, demos uma parada no 26 para anotar a dica do posto oculto 25, que estava mais à frente na nossa estratégia.


O posto 18 estava numa trilha nova para a gente, apesar de todas as provas que já fizemos no Casarão. Como estava numa subida, as meninas ficaram para trás e só os homens subiram.

(Daniela e Yumi ficaram esperando na companhia das vaquinhas)

Descemos a trilha na companhia do Jefferson e fomos para o posto 22, pela primeira vez na etapa contra a gravidade. Esse posto deu trabalho, porque não encontramos a trilha para ele e tivemos que abrir nossa própria trilha. Graças ao GPS, achamos o posto rapidamente. O retorno para a rua de terra foi mais fácil pela trilha certa...

De acordo com a dica obtida no posto 21, a determinação da localização do posto oculto 19 tinha como base o PC 20, portanto fomos até esse PC.

Tínhamos preparado os cálculos para determinar latitude e longitude dos postos ocultos com base nas dicas de navegação, mas como esses cálculos não se mostraram precisos o suficiente, resolvemos fazer da forma tradicional, com bússola e contador de passos (no final das contas, os cálculos bem que poderiam ter sido utilizados, como se pode ver no mapa ao final deste post, nos postos marcados com o ponto de interrogação). Pegamos o 19, mas com 59 segundos de atraso, o que poderia complicar a prova mais para a frente.

Descemos a trilha para encontrar Daniela e Yumi, que não subiram a trilha conosco.


Por um erro de cálculo até agora não encontrado, passamos 7 segundos adiantados no PC 20, invalidando a rota e acarretando perda de 300 pontos que não estavam planejados... Enfim, continuamos trabalhando para que esses erros bobos não aconteçam novamente.


Do 20, subimos a estrada de terra até a entrada da trilha e, por uma tremenda sorte, vimos uma luz vermelha piscando na pista de motocross. Alberto e Marcelo correram até lá para conferir e encontraram um posto marcado como oculto. Qual seria esse posto?

Seguimos para o PC 33, na trilha mal definida. O GPS ajudou e encontramos esse PC facilmente. De lá fomos ao 31, onde foi necessária alguma manobra para conseguir bipar...


O PC 34 era crítico na estratégia, tanto pelo tempo quanto pela sua localização: sabíamos que o caminho para a cascata é escorregadio e que o PC poderia estar num lugar de difícil acesso. Jorge e Marcelo chinelaram naquela trilha para pegar o PC a tempo. Qualquer atraso implicaria em pegar o posto 02 fechado, e aí adeus estratégia! Chegamos no 34 faltando 10 segundos!

Se o caminho para o PC 34 era crítico, o próximo trecho era ainda pior. Fizemos uma rota inválida para o posto 23, que ficava numa trilha no final da estrada de terra que vai até os lagos do camping. Durante o planejamento, estabelecemos um tempo de 8 minutos para fazer essa rota, mas por causa do atraso acumulado até o momento não podíamos gastar mais de 7... Jorge e Marcelo literalmente sumiram na frente e deixaram o restante da equipe para trás. Resultado: fizemos o trajeto em 5m46! Estávamos de volta à prova!

O próximo da estratégia era o oculto 25 que, de acordo com a dica obtida no 26, deveríamos partir do posto 24. Jorge e Marcelo fizeram a navegação com bússola e contagem de passos, mas como a contagem terminou antes, tiveram que abrir trilha no peito, no meio dos espinhos. Atrasamos 19 segundos, mas conseguimos encontrar!

O restante da equipe estava aguardando nas proximidades do lago. O PC 16, que era o próximo da estratégia, já havia sido encontrado anteriormente.



Esse posto marcou a metade da nossa estratégia, e agora iríamos atrás dos PCs na região da gruta do camping, começando pelo 13, onde chegamos com quase 5 minutos de antecedência. Deu para descansar e relaxar um pouco.


O PC 10 deu algum trabalho, tanto para encontrá-lo quanto para chegar nele, porque era uma trilha curta mas íngreme que começava dentro do riacho. Pegamos a dica para o oculto 09 e seguimos para o primeiro portal da nossa estratégia, de número 02. Chegamos bem adiantados e com folga...


O portal 08, próximo da nossa estratégia, também foi encontrado facilmente. Até esse ponto, a estratégia estava funcionando e os pontos críticos haviam sido superados. Claro que ainda restava localizar os ocultos, mas isso até que é divertido!

Como a dica para encontrar o oculto 06 estava no posto 05 (e só passaríamos nele mais tarde), tivemos que ir até o 05 para ver a dica. Achamos facilmente o 05, mas precisávamos voltar até o 07, pois esse era a referência de partida para encontrar o 06. Entendeu?

Voltamos para o 07, fizemos as medições necessárias e encontramos o oculto 06, maaaas... Estávamos do lado errado da cerca de arame farpado! Marcelo, com ajuda de Alberto e Jorge, enfiou-se pela cerca e passou para o lado certo. Passamos com quase 6 minutos de atraso.

Como Alberto e Jorge estavam de um lado da cerca e Marcelo estava do outro lado, voltamos juntos, cada um do seu lado da cerca. Mas como Marcelo já estava do lado do próximo posto da estratégia, que era o 05, decidiu descer diretamente para ele e ficou esperando o restante da equipe. As meninas resolveram ficar passando frio perto do posto 01 enquanto fomos até o PC 03. Por mais que conheçamos as trilhas do Camping Casarão, essa parte a seguir era novidade para nós.

O PC 03 deu trabalho. Marcelo insistiu em seguir por uma trilha que ele supostamente conhecia (dá para ver claramente no tracklog no final do post), mas a trilha estava fechada e tudo que conseguimos foi um monte de arranhões (analisando depois da prova, deu para ver que chegamos perto). A solução foi retornar até a trilha que leva até o 18 e descer mais um pouco, até encontrar uma trilha mal definida à direita. A subida dessa trilha foi meio sofrida, mas ficamos animados quando encontramos o posto 04. Subimos mais um pouco e chegamos ao PC 03. Pegamos a dica para encontrar a chegada (tremenda mancada essa coisa de ocultar a chegada: o cara já tá morto, querendo ir logo para casa e ainda tem que achar um maldito PC para não perder quase todos os míseros pontos que fez! Isso é sadismo!) e só confirmamos que o PC encontrado na pista de motocross era a chegada. Mesmo com toda a dificuldade em encontrar o PC 03, registramos com "apenas" 1m 16s de atraso.


O cansaço já começava a mudar o humor da equipe, e o retorno do PC 03 até o posto 07 foi silenciosa e puxada. Os ânimos estavam em baixa.


O oculto 09 foi um desafio à parte e já começou errado. Diferentemente dos demais ocultos dessa prova, não era possível navegar diretamente a partir do posto de referência (no caso, o portal 08), mas era necessário determinar sua posição pelo mapa. Pela indicação, sabíamos que sua posição estava relacionada com a gruta, ou com a trilha que passa por dentro dela. Cruzamos a gruta, andamos um trecho na trilha, não encontramos nada e voltamos.

Ao sair da gruta, fomos na bota de uma outra equipe que também procurava um oculto naquela região. Essa equipe passou por baixo de um arame farpado, entrou numa região de pasto e rumou para a trilha, do outro lado da gruta, com Marcelo e Jorge na cola deles. Antes de chegar na trilha, Marcelo avistou o tão procurado oculto e até chegou a apontá-lo para a outra equipe que, na verdade, procurava o 06. Marcelo chamou pelo Jorge, que havia voltado para a junto do restante da equipe. Marcelo conferiu o posto (mas não o registrou, porque o bipe fica com Jorge) e voltou correndo pela trilha, até se reencontrar com a equipe. Contrariado por ter sido deixado sozinho, surtou, jogou seu equipamento no chão, xingou todo mundo, tomou o bipe da mão do Jorge e voltou correndo para registrar o oculto... Em todos esses anos nessa indústria vital, essa é a segunda vez que rola stress na equipe. Olhando em perspectiva, até que não é muito!

Com o tempo fechado na equipe, fomos ao posto 01, já encontrado anteriormente. Desse posto, faríamos uma rota inválida para o posto 04 e depois para o 14, mas em virtude da dificuldade em se chegar ao posto 04 e da dificuldade de ir do 14 para a chegada, além dos atrasos acumulados nos últimos registros, decidimos ir direto para a chegada. No caminho para a chegada, as meninas resolveram ficar no chalé. Alberto, Jorge e Marcelo, em silêncio, aceleraram o passo até a pista de motocross, para não estourar o tempo de prova. Registramos com folga de apenas 3 minutos...

O Camping Casarão, apesar de manjado, ainda oferece muitas opções para o esporte. Por ser um lugar bem conhecido por todos, ofereceu alguma segurança para a equipes nessa prova noturna.

Em relação à prova, a novidade foi um grande sucesso, na nossa opinião. A prova noturna não foi mais difícil que a diurna e ainda não teve o calor típico de Itu. A sinalização dos PCs com luzes piscantes funcionou perfeitamente e a ideia do organizador de removê-las (mantendo somente as fitas reflexivas) a partir da próxima etapa noturna deveria ser repensada. Esperamos que, em 2013, existam mais etapas noturnas (aliás, diurnas também...) no calendário do Fun Trekking.

Apesar de termos ficado empolgados com a nossa estratégia (mesmo sendo cheia de pontos críticos), não foi suficiente para vencer a prova. Nem mesmo o erro cometido no PC 20 não afetaria o resultado da prova. Com o terceiro lugar, não dependemos mais somente de nossos resultados para sermos campeões. Além disso, a última etapa do ano será em Paranapiacaba, local que temos um terceiro lugar como melhor resultado. Ah, quem se importa? O importante é que essa etapa foi divertida para caramba!

Na manhã seguinte, ainda demos um passeio pelo camping para apresentar o camping para a Yumi (dessa vez, de dia...) e deu para aproveitar a piscina.






Distância: 9,04 km (Garmin)
Tempo total: 2h 57min

Participantes: Alberto, Daniela, Jorge, Marcelo e Yumi.

Resultado:
1 - Bulldog (28466 pontos)
2 - BigBlue (26537 pontos)
3 - Johnnie's Walkers (25116 pontos)
...

Prato do dia da noite: Pizza de emergência do Camping Casarão. Como de costume, estava boa... De sobremesa, destilados. Até 4h20.

Prato do dia seguinte: hambúrgueres do The Burger Map, em Santo André, eleito o melhor hambúrguer do ABC pela Veja Comer & Beber ABC 2012/2013.


Nenhum comentário:

Postar um comentário