Visite nosso blog "gourmet": http://jwalkersgourmet.blogspot.com/

Hodômetro - quilometragem dos participantes

Participante
Distância percorrida
Alberto
639,4 km
Daniela
810,0 km
Jorge
784,4 km
Marcelo
858,2 km
Paulo
211,2 km
Yumi
145,6 km
(considerando somente os eventos listados neste blog)

sábado, 4 de outubro de 2014

Northbrasil 2014 - Solar das Andorinhas (noturna)

Com a largada prevista para 20h32, planejamo-nos para chegar às 19h30. Como paramos para fazer uma boquinha no Frango Assado da Rod. dos Bandeirantes, deu para aguentar até o fim da prova sem muuuita fome, só um pouquinho!


Até a metade do trecho 03 foi só um reconhecimento em volta do local da largada e estacionamento, mas no meio do trecho 03 havia um laguinho lamacento e fedido, com água até o meio da coxa, para atravessar. Enquanto Marcelo e Paulo atravessaram, Jorge e Daniela deram a volta.

Dali, passamos pelas ruas internas ao hotel e pela praça, quando então subimos em direção ao "portão azul" e ao já famoso bambuzal maldito (deve ter algum índio enterrado lá, ou uma cabeça de cavalo) para a primeira passada por ele. Nessa passada, não erramos nenhuma vez.

Descemos em direção à "barragem" (não me lembro de passar por ali em alguma outra prova) e perdemos tempo procurando a trilha certa. As pedras estavam meio escorregadias e perdemos mais tempo atravessando. Entramos por um leito de rio, meio seco (meia calabresa), mais para sujar a bota. Quando saímos do rio, cruzamos a ponte velha conhecida das provas da North e pegamos a rua de terra à direita. Mesmo no plano, não conseguimos tirar o atraso de mais de um minuto. Cruzamos sobre a barragem e atravessamos o bambuzal (dessa vez não perdemos o PC que estava ali).

Demos mais uma passeada pelo hotel e fomos na direção da piscina, onde aconteceu a largada/chegada da prova de 2013. Marcelo "tropeçou" no PC 08, que já ia ficando para trás. Neutro de Red Bull para recarregar a bateria!

(desse ponto em diante da prova, Jorge vai para trás da fila)

Devidamente alados, seguimos para o campo de futebol, subimos a escadaria (no sentido inverso de outros anos) e seguimos para a mata a sudeste da sede. Andamos um bom trecho de trilha fechada até o trecho de virtual, que fizemos meio às cegas, confiando no que Marcelo lembrava de provas anteriores, já que as referências não eram muito claras, até darmos a volta e sairmos no mesmo ponto por onde entramos na mata. Seguimos a cerca de arame farpado até o "castelinho".

Descemos em direção ao bendito do bambuzal para a segunda passada, mas desta vez erramos na entrada e perdemos o PC 02, que nem era tão difícil (mas acertamos o 01, que era bem mais difícil). Saímos do bambuzal e voltamos ao hotel, onde estava o neutro.




Na segunda parte da prova, saímos do hotel, atravessamos as 3 pontes que levam ao hotel (nunca tinha visto 3 referências na planilha da North absolutamente iguais, na sequência), atravessamos e subimos em direção aos trilhos de trem, por onde andamos uns 400 m (coisa chata andar naquelas pedras) até achar o PC 20 (peraí... então não perdemos o PC 20? poutz, isso que dá não conferir o resultado na hora... duro é que tem até a foto para comprovar!).


Saímos do trilho, passamos o quebra-corpo e entramos por trilhas totalmente novas, tanto que bateu uma insegurança, que passou quando achamos o PC 25.


Ali começou o festival de cercas de arames farpados, porteiras e colchetes, certamente a parte mais chata da prova. Num determinado momento, nos deparamos com um lago que fomos obrigados a contornar, por uma trilha tão estreita que quase largamos bonés e lanternas para trás. O PC 27 estava por lá...

Pula cerca, segue cerca, passa cerca... Pela grama, segue a cerca, passa cerca... Opa! Porteira. Melhor passar por baixo... Um baita descidão que deu até para tirar um pouco do atraso das cercas. O descidão terminou... numa porteira, claro!

E se não tínhamos feito grandes burradas na prova, deixamos para fazer todas nos trechos 38 e 39. Fizemos todas as cacas que podíamos e perdemos mais de 10 minutos batendo cabeça, e ainda trouxemos uma equipe na nossa bota!

Vários xingamentos depois, achamos finalmente a estrada correta logo num trecho de virtual (pelo menos isso, fizemos 13 pontos no virtual 35). Essa estrada de terra nos levou a um caminho que cruzou o trilho de trem e dali ao caminho inverso até o hotel. Registramos a chegada pontualmente nas doze badalada notúrnica, 8 minutos atrasados.

Prova burocrática, meio chata até. Sem novidades, exceto pela absurda quantidade de cercas de arames farpados e porteiras. Pela primeira vez houve um erro na nossa apuração que não foi detectado a tempo pela equipe: o PC 20 não foi registrado (e temos até foto para comprovar), não que esses 900 pontos fizessem alguma diferença no final das contas.

Além disso, duas provas seguidas com quase 3 horas e meia e mais de 10 km devem explicar o excesso de equipes na categoria Turismo. Algo a se considerar para 2015.


Distância: 10402 m
Tempo total: 3h20min

Participantes: Daniela, Jorge, Marcelo e Paulo.

Resultado:
1 - A Cota (656 pontos)
2 - Por Enquanto So Nois (672 pontos)
3 - E Nois Na Trilha (1122 pontos)
...
25 - Johnnie's Walkers (5827 pontos)
...

Prato do dia: Hambúrgueres do Osnir

Nenhum comentário:

Postar um comentário